Conceito

O mercado numa caixa.

Mercado. O nome que escolhemos para este local. Um mercado dos nossos dias, onde se compra e vende produtos, onde se come, bebe e ouvem concertos de música ou se apreciam exposições de arte. É aqui que se vem passar bons momentos, à conversa com amigos, sentindo o cheiro dos produtos frescos, acabadinhos de chegar da terra e do mar.

Conceito

É o Mercado de todos nós e para todos nós. E também de quem nos visita, com quem queremos partilhar a nossa forma de vida. Vamos ao Mercado beber um copo? Vou ao Mercado comprar flores. Hoje no Mercado há um recital de poesia. É isto o Mercado. Tudo contido numa caixa. Os sabores. A tradição. A cultura.

O mercado aparece de novo.

Conceito

O Mercado. Local onde se compram e vendem produtos desde há muitas décadas. Local de trocas, de conhecimento, de parcerias. Local onde se sabe que se compra bem, porque os produtos são de qualidade, frescos e bem apresentados. Continuará a ser o mesmo de sempre.

É o Mercado que faz a ponte entre o que vem da terra e do mar e o que vai para a cidade. É aqui que estamos ligados. E que continuaremos ligados. Num ramo de flores, num copo de vinho, numa sandes de presunto, numa tapa de marisco ou numa música de violino.

É aqui que estamos ligados.

Os mercados e as feiras serviam também para as pessoas estarem umas com as outras, conversarem, contarem as suas aventuras ou os seus desencontros, para rirem, ouvirem, falarem, enfim, para serem e estarem bem. Para conviver. O Mercado de agora, dos tempos modernos vai continuar a ser muito isto. E mais ainda.

Conceito

O passado fez-se presente. A memória de tempos idos reaparece agora em força. Uma memória escondida, mas que existe. Projetado no presente para um futuro com raízes no passado. Um passado que queremos voltar a viver, que queremos transmitir a quem nos visita. Um passado que queremos ser.

Para estarmos uns com os outros.